Pular para o conteúdo principal

FIDELITAS CHRISTI

A história do nosso grupo começou quando ainda nem sabíamos quem realmente faria parte dele. N ossa trajetória teve começo no início de 2007. Éramos então vários jovens que procurávamos os encontros vocacionais para o discernimento da vocação. A partir do segundo encontro nos reuníamos no Bairro Dom Cabral. Foi bom ver pessoas novas cada um com seu jeito de ser uns "pra frente" outros acanhados, outros sorridentes, outros sérios enfim jovens de todos os jeitos.
No final do mesmo ano ,os que iriam entrar no seminário participaram de um estágio vocacional, momento de alegria, de medo, de insegurança e de tantos outros sentimentos.
No dia cinco de fevereiro de 2008, chegamos de mala e cuia na Comunidade João Paulo II para da início a primeira etapa do seminário a qual chamamos de propedêutico , passando a fazer parte do grupo: Adriano Soares de Sousa, Antônio Roberto, Felipe Augusto, Felipe Lemos, João Tibúrcio, Sergio Garofalo, Thiago Soares, Tiago Machado e Wellington Faria. Nosso primeiro formador foi Pe. Edecildo, pessoa significativa na nossa formação sendo responsável pelas orientações iniciais.
 Estávamos diante de uma realidade totalmente diferente das anteriores muitos eram os desafios na vida comunitária marcada por conflitos sempre superados, e também nas dimensões: espiritual, humano-afetiva, e intelectual. Mesmo diante de tais desafios, no decorrer do ano , criamos um grupo com diversas qualidades individuais, das quais acabaríamos conhecendo durante o processo. Logo cada um foi colocando seu próprio jeito de ser e conseguimos consolidar o grupo. Foi um tempo de descobertas, encantamentos, desapontamentos, histórias engraçadas, um tempo que deixou saudades. Como característica que se pode ressaltar do nosso grupo é a nossa cativante alegria que contagiava a todos que conosco conviviam. Ainda no primeiro ano de seminário tivemos a saída de João que preferiu seguir outro caminho.
Após o Vestibular, iniciamos a nova etapa: 3 anos no curso de filosofia. Agora tínhamos responsabilidades na faculdade e na pastoral. Está última um pouco inédita, fizemos juntos no mesmo lugar, na área pastoral Veni Creator, hoje Paróquia Espírito Santo Consolador, em Vespasiano, onde aprendemos a lidar com desafios respeitando os limites de cada um. Na comunidade de filosofia fomos acompanhados pelo Pe. Joel e Pe. Célio.
Com o objetivo de sermos ajudados e de aprendermos ser ajudadores fomos acompanhados pela psicóloga Ângela Faria, responsável pela dimensão humano-afetiva , tendo como referência o chamado: modelo de ajuda; Nele, em vista do contexto do ano sacerdotal, o grupo  ganhou o nome de Fidelitas Christi, que significa fidelidade de Cristo, Isso porque tentamos ser fiéis a nós mesmos, à nossa vocação e, sobre tudo, ao que nos chamou: Jesus Cristo. Olhar para nós mesmo requer, afinal, a mesma fidelidade com que Cristo sempre nos olha.
Considerando que somos passíveis de mudança, queremos continuar nosso caminho, mudando o que nós não nos remete à palavra "fidelidade", sem alterar a essência de cada um e do grupo. Assim deixamos para nossa história páginas em branco a serem preenchidas pelos sonhos concretizados  
Adriano Soares de Sousa,  Antônio Roberto,Felipe Augusto, Felipe Lemos, Sergio Garofalo,  Thiago Soares,  Tiago Machado,  Wellington Faria                          

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A JORNADA DO HERÓI: JESUS CRISTO

Quem nunca gostou de ouvir, lê ou assistir história de heróis ?
Há milênios contamos histórias que falam de personagens   que foram peças importantes, e até hoje estão marcados na memória de cada um que as conhece, geralmente essas histórias estão cheias de ação emoção, pois elas estão cheias de ingredientes  que preenchem a nossas expectativas.
Na maioria das vezes o personagem principal deve superar algumas etapas para se demonstrar como verdadeiro herói, independente da cultura ou do mito que será contado, sempre o herói têm um ciclo a ser seguido isso desde a história mais antigas de Homero e Hesíodo com seus contos até as aventuras da DC e MARVEL.
Pensando nisso  o estudioso e especialista em mito Joseph  Campell cria um modelo de como seria passo a passo do percurso de transformação do homem comum em Herói com todas as provações que surgem no caminho. A jornada do herói e muito utilizada em roteiros de cinema e seriados, e livros de super-heróis, e o meu principal objetivo(e de…

A DEPRESSÃO E SUA BANALIZAÇÃO NO MUNDO ATUAL

A depressão é um distúrbio afetivo que acompanha a humanidade ao longo de sua história. O conceito patológico , entre os sintomas, ha presença de tristeza, pessimismo, baixa autoestima que aparecem  muitas das vezes compiladas.
Ao contrário do que normalmente se pensa os fatores psicológicos e sociais, são consequência e não a causa da depressão.
Mas o quero ressaltar aqui e a banalização dessa doença que é tão seria e que se não for tratada pode levar a morte, sim! morte!!! De acordo com a OMS(Organização Mundial de Saúde) a depressão atinge hoje quase 7% da população mundial cerca de 400 milhões de pessoas.
Vendo que o assunto é sério atualmente a depressão e colocada como algo  banal e muitas das vezes a pessoa que apresenta essa patologia e encarada como fazedora de manha,que está com frescura e o pior é aquele que fala: "nossa, isso é falta de Deus" se fosse assim padre e pastores não entrariam nunca em depressão. Muitas das vezes nas redes sociais esse termo é banali…

ATO ,POTÊNCIA E ACIDENTE

Olá pensadores! Tudo bem com vocês ? Espero que sim, e mais uma vez nos encontramos aqui nesse humilde blog, rumo ao texto de número cem .
Hoje quero voltar a série clássicos da filosofia  e falar desse filósofo que viveu antes de Cristo, mas seus ensinamentos ajudaram muito na forma de pensar da igreja cristã, iremos falar de Aristóteles.
O que muitos não sabem é que Aristóteles foi discípulo de Platão e como discípulo ele não seguiu nada de seu mestre, pelo contrário ele trouxe o pensamento de seu mestre Platão de volta para terra.
Aristóteles diferente de seu mestre, defende que o Ser ,ou seja, tudo que existe, melhor dizendo a existência em si, possui um atributo que o define , enquanto Platão afirmava que esse atributo era originário(vinha do hiperurânio), pois bem, Aristóteles faz essa mudança afirmando que o Ser possui um atributo definidor que se encontra no próprio ser, ele chama esse atributo de substância e o que é a substância para Aristóteles? A substância é aquilo que d…