Pular para o conteúdo principal

FILOSOFANDO O AMOR PARTE 4: AMOR NEURÓTICO ,AMOR PSICÓTICO E AMOR PSICOPATA

   Olá pensadores!!! Tudo bem com vocês? Espero que sim! Comigo está tudo bem ,graças ao bom Deus! 
  Hoje irei misturar um pouquinho dos temas já debatidos aqui no blog, juntarei a nossa série sobre amor , com o tema da nossa série psicologia e tentarei dar conceito em relacionamentos neuróticos ,psicóticos e relacionamentos psicopatas.
Começarei ,então falando dos amores neuróticos, e para entender melhor esse tipo de relacionamento devemos saber o que é neurose: Segundo a OMS(Organização Mundial de Saúde) neurose são transtornos de afetividade que levam as pessoas a experimentar sentimento e reações motoras incomuns, com perfeita conservação de juízo da realidade. Sabendo disso tenho uma coisa para lhe confessar : Todos nós somos neuróticos! Em níveis diferentes, exceto os psicóticos e os psicopatas. Existem 4 tipos de neuroses diferentes: Neurose de angústia - Como o próprio nome diz o sintoma predominante é angústia; existe a neurose fóbica - Na qual se predomina as fobias, têm também a Neurose histérica - Ela é caracterizada pela conversão de conflitos psicológicos em sintomas orgânicos, e para terminar existe a Neurose obsessiva - em que dominam as compulsões, e obsessões , hoje ela é compreendida como TOC ( Transtorno Obsessivo Compulsivo).
Sendo assim, quando as pessoas neuróticas se relacionam, dependendo do nível de neurose que ela vive , vai existir sempre o medo de perder , e como diz na música do Peninha : "Quando a gente ama é claro que a gente cuida..." Aquela pessoa neurótica , tem muito medo de perder seu parceiro(a) logo, vai ter aquele excesso zelo, quando estiver perto vai querer sempre demostrar carinho, e quando estiver longe sempre vai ter aquela preocupação do tipo: "será que ele(a)" está bem? Será que ele(a) já almoçou ? Será que está com frio etc. Ou seja um amor neurótico vendo por esse ponto de vista é um amor bom de ser vivido.
  Agora falando do amor psicótico , irei dar conceito a psicopatia , geralmente o sujeito que é psicótico  tem dificuldade de estabelecer uma identidade própria, logo ele não tem poder e nem noção sobre as coisas, sendo assim, ele não sabe diferenciar o que é real do que é fruto do seu pensamento, logo o psicótico virou prisioneiro do amor narcísico da sua infância, portanto, ele precisa que venha o amor de fora, e ao mesmo tempo ele acha que as pessoas o ama , essas mesmas pessoas irão destruí-lo, logo, ele vive isolado e mais retraído,pois, tem uma identidade muito frágil. Uma pessoa que tem estrutura de base psicótica, não consegue fica perto de quem ela ama, ela só ama quando a pessoa amada estiver longe, quando a pessoa amada está perto; não consegue ficar junto, pois ,esse não suporta a presença do outro, penso então que um psicótico deve se relacionar com outro psicótico , pois o amor psicótico é um amor narcista.
  Por último nos resta falar do amor psicopata que acredito que dependendo da relação pode ser uma relação perigosa.
O amor psicopata ele só existe quando há presença física do amado (a) , quando o amado(a) não está presente , esse amor fica suspenso, e é bem possível que ele flete com outra pessoa sem nenhum complexo de culpa. Esse amor gera uma angústia, pois, quando você envolve com esse tipo de pessoa , elas precisam estar 24 hs do dia presentes seja na rede social, seja ligando de hora em hora , e se você se relaciona com esse tipo de pessoa, experimente fica 10 minutos sem respondê-lo no Whats'sap a confusão que você vai arrumar.  Geralmente esse tipo de amor é agressivo , pois, na cabeça do indivíduo na hora que o amado(a)  sai de sua frente ou não o responde nas redes sociais ele se sente lesado, outra coisa que acontece é a descrença , entre outras palavras um ciúme possessivo, pois o indivíduo   entende que o outro não é simplesmente o amor da sua vida, mas ,sim posse exclusiva dele. E é muito difícil identificá-lo, porque geralmente a pessoa não se revela no começo da relação, parece um lord( laide) e não deixa aparecer nenhum desses sintomas, ao decorrer do relacionamento que a pessoa se revela, e você quer terminar, , como ele(a) mas,como você tem a imagem da pessoa boa do inicio da relação  pela qual  você se apaixonou , você sempre acredita que ela vai melhorar, logo começam os joguinhos e as torturas no seu psicológico , e joga toda culpa do relacionamento está ruim em você.
Pois bem, pensadores queridos gostaram do texto de hoje? Se identificou-se com algum desses perfis ? Conhece algum casal que vive esse sintomas? Vamos fazer uma dinâmica, se você vive um amor neurótico , coloque nos cometários o número 1, se você vive ou conhece um casal com amor psicótico deixe nos comentários o número 2, agora se você vive ou conhece um casal que vive o amor psicopata vai digitar nos comentários o número 3 (provavelmente você identificou alguém). Espero que tenha gostado e semana que vem tem mais.
 (Soares de Sousa, Adriano) 

Referência bibliográfica: Dialogo sobre afetividade ( Ivan Capelatto)
                                          A Equação da afetividade( Ivan Capelatto)
  

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A JORNADA DO HERÓI: JESUS CRISTO

Quem nunca gostou de ouvir, lê ou assistir história de heróis ?
Há milênios contamos histórias que falam de personagens   que foram peças importantes, e até hoje estão marcados na memória de cada um que as conhece, geralmente essas histórias estão cheias de ação emoção, pois elas estão cheias de ingredientes  que preenchem a nossas expectativas.
Na maioria das vezes o personagem principal deve superar algumas etapas para se demonstrar como verdadeiro herói, independente da cultura ou do mito que será contado, sempre o herói têm um ciclo a ser seguido isso desde a história mais antigas de Homero e Hesíodo com seus contos até as aventuras da DC e MARVEL.
Pensando nisso  o estudioso e especialista em mito Joseph  Campell cria um modelo de como seria passo a passo do percurso de transformação do homem comum em Herói com todas as provações que surgem no caminho. A jornada do herói e muito utilizada em roteiros de cinema e seriados, e livros de super-heróis, e o meu principal objetivo(e de…

A DEPRESSÃO E SUA BANALIZAÇÃO NO MUNDO ATUAL

A depressão é um distúrbio afetivo que acompanha a humanidade ao longo de sua história. O conceito patológico , entre os sintomas, ha presença de tristeza, pessimismo, baixa autoestima que aparecem  muitas das vezes compiladas.
Ao contrário do que normalmente se pensa os fatores psicológicos e sociais, são consequência e não a causa da depressão.
Mas o quero ressaltar aqui e a banalização dessa doença que é tão seria e que se não for tratada pode levar a morte, sim! morte!!! De acordo com a OMS(Organização Mundial de Saúde) a depressão atinge hoje quase 7% da população mundial cerca de 400 milhões de pessoas.
Vendo que o assunto é sério atualmente a depressão e colocada como algo  banal e muitas das vezes a pessoa que apresenta essa patologia e encarada como fazedora de manha,que está com frescura e o pior é aquele que fala: "nossa, isso é falta de Deus" se fosse assim padre e pastores não entrariam nunca em depressão. Muitas das vezes nas redes sociais esse termo é banali…

ATO ,POTÊNCIA E ACIDENTE

Olá pensadores! Tudo bem com vocês ? Espero que sim, e mais uma vez nos encontramos aqui nesse humilde blog, rumo ao texto de número cem .
Hoje quero voltar a série clássicos da filosofia  e falar desse filósofo que viveu antes de Cristo, mas seus ensinamentos ajudaram muito na forma de pensar da igreja cristã, iremos falar de Aristóteles.
O que muitos não sabem é que Aristóteles foi discípulo de Platão e como discípulo ele não seguiu nada de seu mestre, pelo contrário ele trouxe o pensamento de seu mestre Platão de volta para terra.
Aristóteles diferente de seu mestre, defende que o Ser ,ou seja, tudo que existe, melhor dizendo a existência em si, possui um atributo que o define , enquanto Platão afirmava que esse atributo era originário(vinha do hiperurânio), pois bem, Aristóteles faz essa mudança afirmando que o Ser possui um atributo definidor que se encontra no próprio ser, ele chama esse atributo de substância e o que é a substância para Aristóteles? A substância é aquilo que d…