Pular para o conteúdo principal

SARTRE(parte2): O EM-SI E O PARA-SI


Olá pensadores! Tudo bem com vocês? Espero que sim! Comigo está tudo bem graças ao bom Deus! E já começamos com a segunda parte da filosofia existencialista de Sartre, hoje iremos falar sobre o movimento das relações segundo o autor.
Bem, segundo Sartre, quando o homem se constata como existente, ou seja quando começa a ter consciência de si para o outro, imediatamente percebe-se como existência consciente. Essa consciência ele tem de si mesmo(como intuição originária de si) existindo no mundo. A consciência designa uma subjetividade sempre aberta, que a todo instante transcende em direção ao mundo. O caráter transcendente como relação com algo que encontra fora dela é a própria consciência, é uma consciência completa e dirigida para alguma coisa que não é ela.

O homem como ser no mundo sempre está relacionando com o outro ser que lhe é distinto, um ser que não têm consciência de sua existência, o ser das coisas. A esse ser Sartre denomina EM-SI. Esse ser não admite nenhuma abertura em relação a outro ser, ele é pleno e idêntico a si mesmo. Essa plenitude existe porque o ser EM-SI não tem história, não tem devir, não tem potencialidade: Todas as coisas do mundo são "em-si". O isto é o homem, ao contrário , não tem essência determinada e por isso é pura intencionalidade, pura abertura, puro movimento em direção às coisas. O nada se faz a si mesmo e tem consciência de suas ações; o ser EM-SI, Sartre concebe a existência do ser especificamente humano, denominando-o o ser PARA-SI, o ser da consciência. O PARA-SI  traz consigo, desde sua origem, a liberdade. (assunto dos próximos capítulos). Por meio dela, o PARA-SI escapa de cristalizar-se numa condição de ser acabado e pleno, no mesmo instante em que se projeta no tempo, em direção ao futuro. Ao contrário do Em-SI, o PARA-SI não é em plenitude e anseia a todo instante completar-se. Assim, por ser inacabado é que o PARA-SI implica um comprometimento constante: Só por meio de escolhas incondicionadas é que ele vai se construindo. Manifesta-se aí o caráter de absurdez inegável em relação a liberdade que escolhe, não é possível escolher não ser livre. Com essa afirmação estamos diante da facticidade e da contingência da liberdade. Sartre denomina facticidade da liberdade"ao dado que ela tem-de-ser" iluminado pelo seu projeto. Os aspectos da condição humana que são independentes de nossas escolhas são manifestações da facticidade, tais como lugar, o corpo, o passado, a posição social e a época histórica. Já o fato de não poder existir é a contingência da liberdade. Afinal, o que representa uma escolha diante de um mundo inerte, que nenhuma resistência nos oferece? Escolher o significado de qualquer coisa no mundo de um puro EM-SI só importa porque outros também podem imprimir nos mesmo objetos diferentes significados. Escolher é praticar um ato decisório que aponta em direção a um projeto original.( continua...)
(Sousa,Adriano Soares de)
Referências bibliográficas: O SER E O NADA, Jean-Paul Sartre. HISTÓRIA DA FILOSOFIA, Eduardo Lúcio Nogueira e Nuno Valadas.       

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A JORNADA DO HERÓI: JESUS CRISTO

Quem nunca gostou de ouvir, lê ou assistir história de heróis ?
Há milênios contamos histórias que falam de personagens   que foram peças importantes, e até hoje estão marcados na memória de cada um que as conhece, geralmente essas histórias estão cheias de ação emoção, pois elas estão cheias de ingredientes  que preenchem a nossas expectativas.
Na maioria das vezes o personagem principal deve superar algumas etapas para se demonstrar como verdadeiro herói, independente da cultura ou do mito que será contado, sempre o herói têm um ciclo a ser seguido isso desde a história mais antigas de Homero e Hesíodo com seus contos até as aventuras da DC e MARVEL.
Pensando nisso  o estudioso e especialista em mito Joseph  Campell cria um modelo de como seria passo a passo do percurso de transformação do homem comum em Herói com todas as provações que surgem no caminho. A jornada do herói e muito utilizada em roteiros de cinema e seriados, e livros de super-heróis, e o meu principal objetivo(e de…

A DEPRESSÃO E SUA BANALIZAÇÃO NO MUNDO ATUAL

A depressão é um distúrbio afetivo que acompanha a humanidade ao longo de sua história. O conceito patológico , entre os sintomas, ha presença de tristeza, pessimismo, baixa autoestima que aparecem  muitas das vezes compiladas.
Ao contrário do que normalmente se pensa os fatores psicológicos e sociais, são consequência e não a causa da depressão.
Mas o quero ressaltar aqui e a banalização dessa doença que é tão seria e que se não for tratada pode levar a morte, sim! morte!!! De acordo com a OMS(Organização Mundial de Saúde) a depressão atinge hoje quase 7% da população mundial cerca de 400 milhões de pessoas.
Vendo que o assunto é sério atualmente a depressão e colocada como algo  banal e muitas das vezes a pessoa que apresenta essa patologia e encarada como fazedora de manha,que está com frescura e o pior é aquele que fala: "nossa, isso é falta de Deus" se fosse assim padre e pastores não entrariam nunca em depressão. Muitas das vezes nas redes sociais esse termo é banali…

SOBRE NARCISISMO EM REDE SOCIAIS

Olá pensadores! Olá pensadoras ! Tudo bem com vocês? Espero que sim! O tema de hoje eu acredito que vai mexer com cada um de nós, pois, cada um tem seu momento de narcisismo e com as redes sociais em alta isso mais do que nunca está aflorado e nítido .
Mas, para começar acredito que muita gente ainda não sabe o que é narcisismo, logo, irei começar a contar o mito de Narciso. Existem várias versões desse mito mas, a que mais se encaixa no tema e essa:

Quando Narciso nasceu, sua mãe consultou o adivinho Tirésias que lhe predisse que Narciso viveria muitos anos desde que nunca conhecesse a si mesmo. Narciso cresceu tornando-se cada vez mais belo e todas as moças e ninfas queriam seu amor, mas ele desprezava a todas. Certo dia, enquanto Narciso descansava sob as sombras do bosque, a ninfa Eco se apaixonou por ele. Porém tendo-a rejeitado, as ninfas jogaram-lhe uma maldição: - Que Narciso ame com a mesma intensidade, sem poder possuir a pessoa amada. Nêmesis, a divindade punidora, escutou …