Pular para o conteúdo principal

KANT PARTE 2: CRÍTICA DA RAZÃO PRÁTICA

Olá pensadores! Tudo bem com vocês? Comigo vai bem graças ao Bom Deus! Hoje é dia de darmos continuidade ao pensamento de Immanuel Kant se você não leu a primeira parte te convido a entra na página principal do texto e lê-la para que possa compreender essa segunda parte.
Kant escreve A Crítica da Razão Pura ao longo da década de 1770 e publica em 1781, nesse ano Kant se pergunta pela cientificidade da metafísica e conclui nesse livro que a metafísica não é possível em quanto ciência , mas de alguma forma o resultado positivo da crítica a razão pura é mostrar as condições de proposições cognitivas de possibilidade, quer dizer as proposições que me permite avançar objetivamente em um conhecimento teórico sobre as ciências.
Depois de 1781, Kant começa a pergunta se é possível que a moral seja objetiva, quer dizer se é possível que as regras morais de um ser humano podem ser objetivamente validadas? Outra indagação dele era como eu sei que uma regra me conduz a um agir pode ser moralmente boa ou moralmente má do ponto de vista objetivo? 
Para isso, Kant irá construir a tradição da reflexão moral , e vai mostrar que por um lado o relativismo podemos ver isso contemporaneamente, abandona a ideia de uma objetividade e reduz tudo a contingência e por outro lado o racionalismo impõe arbitrariamente princípios que não seria frutos da razão . Kant então reformula as condições de possibilidade de uma validação objetiva das regras morais procurando um princípio da razão, esse princípio da razão que validaria minha regra enquanto subjetiva e transforma-la em objetiva ele vai chamar de lei moral.
A lei moral funciona da seguinte forma: Aja de tal forma que o máximo da sua vontade possa ser elevada como lei universal, quer dizer, você deve agir segundo uma regra, a qual possa ser exemplo para que as outras pessoas possam agir , enfim: O que vale para você , vale também para todos os outros. De algum modo essa lei moral, possa ser entendida com um princípio de universalização de máximas singulares particulares.
Essa lei moral seria valida para todo ser racional , para conhece a objetividade de suas regras , devem ser aplicadas por essa lei. O ser humano como ser racional ,mas também é um ser finito, age de acordo  com a sensibilidade, com as paixões e sentimentos, então Kant mostra como o sujeito é divido entre a razão e a paixão, e tanto a razão como a paixão acabam determinando a ação humana. Por isso, a lei moral para o ser moral finito torna-se um imperativo categórico, ou seja, eu devo tomar para mim aquela lei moral para qualquer ser racional como um imperativo para mim e devo agir segundo a máxima da minha vontade se torne lei universal.
Para encerrar uso como exemplo a Deputada Federal Tabata Amaral , durante a votação da reforma da previdência foi combinado pelo o partido político a qual ela é filiada(PDT)  votar contra a reforma, porém a Deputada seguindo uma lei moral na qual ela acredita, ela foi contra a ordem do partido na esperança de que sua regra de vida se torna-se uma lei universal e votou a favor. Se ela agiu certo ou errado isso só o tempo responderá, mas que ela leu Kant na Universidade Harvard disso eu não tenho dúvida.
(Sousa, Adriano Soares de)
Referência Bibliográfica: KANT,Immanuel , Crítica da Razão Pura, Editora Icone terceira edição.
Fotos: Imagens tiradas da internet                        

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A JORNADA DO HERÓI: JESUS CRISTO

Quem nunca gostou de ouvir, lê ou assistir história de heróis ?
Há milênios contamos histórias que falam de personagens   que foram peças importantes, e até hoje estão marcados na memória de cada um que as conhece, geralmente essas histórias estão cheias de ação emoção, pois elas estão cheias de ingredientes  que preenchem a nossas expectativas.
Na maioria das vezes o personagem principal deve superar algumas etapas para se demonstrar como verdadeiro herói, independente da cultura ou do mito que será contado, sempre o herói têm um ciclo a ser seguido isso desde a história mais antigas de Homero e Hesíodo com seus contos até as aventuras da DC e MARVEL.
Pensando nisso  o estudioso e especialista em mito Joseph  Campell cria um modelo de como seria passo a passo do percurso de transformação do homem comum em Herói com todas as provações que surgem no caminho. A jornada do herói e muito utilizada em roteiros de cinema e seriados, e livros de super-heróis, e o meu principal objetivo(e de…

SOBRE NARCISISMO EM REDE SOCIAIS

Olá pensadores! Olá pensadoras ! Tudo bem com vocês? Espero que sim! O tema de hoje eu acredito que vai mexer com cada um de nós, pois, cada um tem seu momento de narcisismo e com as redes sociais em alta isso mais do que nunca está aflorado e nítido .
Mas, para começar acredito que muita gente ainda não sabe o que é narcisismo, logo, irei começar a contar o mito de Narciso. Existem várias versões desse mito mas, a que mais se encaixa no tema e essa:

Quando Narciso nasceu, sua mãe consultou o adivinho Tirésias que lhe predisse que Narciso viveria muitos anos desde que nunca conhecesse a si mesmo. Narciso cresceu tornando-se cada vez mais belo e todas as moças e ninfas queriam seu amor, mas ele desprezava a todas. Certo dia, enquanto Narciso descansava sob as sombras do bosque, a ninfa Eco se apaixonou por ele. Porém tendo-a rejeitado, as ninfas jogaram-lhe uma maldição: - Que Narciso ame com a mesma intensidade, sem poder possuir a pessoa amada. Nêmesis, a divindade punidora, escutou …

A DEPRESSÃO E SUA BANALIZAÇÃO NO MUNDO ATUAL

A depressão é um distúrbio afetivo que acompanha a humanidade ao longo de sua história. O conceito patológico , entre os sintomas, ha presença de tristeza, pessimismo, baixa autoestima que aparecem  muitas das vezes compiladas.
Ao contrário do que normalmente se pensa os fatores psicológicos e sociais, são consequência e não a causa da depressão.
Mas o quero ressaltar aqui e a banalização dessa doença que é tão seria e que se não for tratada pode levar a morte, sim! morte!!! De acordo com a OMS(Organização Mundial de Saúde) a depressão atinge hoje quase 7% da população mundial cerca de 400 milhões de pessoas.
Vendo que o assunto é sério atualmente a depressão e colocada como algo  banal e muitas das vezes a pessoa que apresenta essa patologia e encarada como fazedora de manha,que está com frescura e o pior é aquele que fala: "nossa, isso é falta de Deus" se fosse assim padre e pastores não entrariam nunca em depressão. Muitas das vezes nas redes sociais esse termo é banali…