O CAMINHO DO DIZER O "SIM"

Olá pensadores tudo bem com vocês? Comigo vai tudo bem graças a Deus! E voltando a falar sobre o tema vocação, vejo que quando refletimos sobre o compromisso de cada um é  chamado a assumir em sua vida, não podemos deixar de recordar um importante personagem bíblico: Moisés.
Javé disse: "Eu vi a miséria do meu povo que está no Egito.  Ouvi seus clamores contra seus opressores, e conheço os seus sofrimentos... O clamor dos filhos de Israel chegou até mim, e estou vendo a pressão com que os egípcios os atormentam. Por isso, vá. Eu envio ao Faraó, para tirar do Egito o meu povo, os filhos de Israel"(Ex 3,7.9-10).
Moisés responde com questionamento, como que relutando: " Quem sou eu para ir até o Faraó e tirar os filhos de Israel lá do Egito?"(Ex 3,11).

De fato muitos jovens hoje sentem dentro de si o apelo de libertar o povo das injustiças. E, como Moisés, também os jovens se questionam. Portanto, não são situações tão diferentes...
Através da história de Moisés, muitos poderiam pensar que o chamado é somente para libertar o sociológico, e depositar toda sua confiança nesta libertação. Contudo, Deus não quer apenas a libertação da opressão das injustiças sociais (também). Ele quer a libertação do homem na sua totalidade.
Acredito que o medo persiste no jovem quando ele vê a libertação apenas no aspecto social. Isso porque a história mostra que todos os libertadores passam pelo caminho da morte.
Mas tudo se torna diferente se o vocacionado percebe que não está só. "Eu estou com você (Ex 3,12). Então ele percebe que seu projeto é parte de outro projeto (o projeto de Deus) e entende que sua vida pertence a Deus. Há, nessa situação, um salto de qualidade na vocação pessoal,que torna o vocacionado disposto a caminhar sem temores. Os temores existirão no jovem enquanto ele permanecer num projeto de libertação apenas sociológica.
O caminho de dizer "sim" exige libertações. As libertações começam dentro da pessoa e se estende para o mundo. Partem de uma microestrutura (o indivíduo) para uma macroestrutura (a história).
O desejo de libertação não está presente apenas no jovem. Está presente em todo ser humano, que se revolta quando  não se sente livre. O não sentir-se livre, porém, já é um passo, agente, ator de sua própria história.
(Sousa,Adriano Soares de)
Referências Bibliográficas: Bíblia de Jerusálem, Editora Paulus, 2012, São Paulo.
Imagens: Arquivo pessoal  

Comentários