BOLSONARISMO: A SEITA DA ALIENAÇÃO

 Olá pensadores, tudo bem com vocês? Comigo vai tudo bem graças ao Bom Deus! E quando eu falo de Deus eu falo na minha crença, de um Deus monoteísta , mas respeito as religiões das outras pessoas  e isso foi se fazendo em um processo de amadurecimento.
Comecei a falar de religião e de crença monoteísta para desenvolver o tema de hoje, e para isso temos que saber diferenciar o que é religião e o que é uma seita. Vamos começar então com o conceito de religião, para não se estender muito podemos conceituar religião como um conjunto de crenças que ligam as pessoas a uma espiritualidade. Agora iremos definir o que seria uma seita, segundo o dicionário Aurélio, deriva do termo latim secta , que significa seguidor. As seitas podem estabelecer-se no âmbito filosófico ,religioso, moral e o que vamos trabalhar nesse texto o político .

Como disse no texto que fiz sobre os 5 pilares que mantém Bolsonaro no poder, vamos decifrar cada vez mais esse fenômeno chamado bolsonarismo, e pesquisando vejo que há muita semelhança com tempos passados como no império romano e pasmem com época do nazismo alemão.
Na época do Império romano , muitas vezes, os imperadores romanos eram considerados  deuses. Contudo, isso dependia de mais de sua popularidade do que da disposição do Imperador, algumas vezes o próprio povo romano aclamava o imperador romano como um deus . A maneira mais comum de um imperador galgar a posição divina era mediante a sua morte , embora alguns conseguisse isso em vida.
 Na Alemanha nazista de Hitler o nome de Deus , e elementos da fé cristã foram usados para justificar sua ideologia e o seus crimes. Hitler fez isso várias vezes ,no manifesto do nacional-socialismo, Hitler além de falar que está agindo pela mão de Deus, mas, também fez uma fervorosa oração: "Deus onipotente, abençoe as nossas armas, foste justo como sempre fostes ; julga agora que merecemos a liberdade, Senhor abençoa a nossa luta!"     

À imitação do Führer , a propaganda nazista, por longos anos,também se valeu da espiritualidade das massas. Houve a tentativa de instrumentalizar a fé cristã com os dizeres nas fivelas do soldados: "Deus está conosco". A alienação e o culto a Hitler surgiu no ambiente luterano para uso de propaganda política, crivada de um cristianismo mal interpretado defendido pelo Führer, (qualquer semelhança com os dias atuais não é mera coincidência).              
   
 Vendo o conceito de seita podemos definir que o bolsonarismo é sim uma seita, pois, o adepto, segue seu deus(como na cultura do império romano) seja em qualquer situação, mas, quando que surgiu essa seita?

Assim como na ala esquerda existe uma veneração ao Lula, a direita ficou carente de referência, até que surge nos programas C.Q.C da TV Band e no Superpop da Rede TV surge um que possa ser a referência. Logo, podemos definir que para combater o Lulismo e os escândalos de corrupção era necessário ter outra referência forte já que o PSDB, já não tinha mais ninguém plausível, aqueles que se denominam de direita começaram a seguir aqueles que na visão deles iria salvar o Brasil: Jair Messias Bolsonaro.

E Bolsonaro esperto que é, usou do discurso do antipetista e conseguiu se fundir com tudo aquilo que soava como oposição a esquerda, conseguiu juntar forças para se manter forte do início ao fim.
Esse sujeito que venera Bolsonaro, assim como na Alemanha nazista, foi induzido pelos seus pastores(claro que teve exceções) e muitas vezes sem instrução, dá credibilidade a fala de seu líder religioso, esse por sua vez, vê no bolsonarismo uma forma de manter seu rebanho, e assim se manter também na política, podemos então chamar o bolsonarismo de macedismo, malafaismo,felicianismosem contar com a ala tradicional radical da igreja católica como também membros da R.C.C. A ligação entre o Bolsonaro e sua seita é também de identificação, de compartilhamento de visão de mundo ou de valores, ou seja, a pessoa que é racista ela se identifica, a pessoa que é homofóbica porque na bíblia está dizendo que é pecado, ela se identifica, se ela é racista, ele se identifica, pois, se antes ela não podia expressar sua opinião com medo se ser rechaçada , hoje ela tem o líder da nação que faz isso. 

Pensando nisso, anotei cinco observações para entendermos o que se passa na política atual de nosso país.
1) O bolsonarista típico se define por ser grosso, não adianta usar argumentos científicos e muito menos argumentos filosóficos e histórico, pois a única coisa que ele sabe replicar é: e o PT hein!? E o Lula?
2)Tudo que Bolsonaro diz é para seu público. Portanto, se você não pertence a seita, a única coisa que interessa é a sua fúria.
3) Se você chocado com algo que o Bolsonaro ou o seus ministros fizeram ou disseram,isso foi feito de propósito,para causar essa sensação em você.
4)Os inimigos devem ser incomodados para que os amigos fiquem satisfeitos. 
5)Como acontece em todo movimento religioso, quanto mais você bate no Bolsonaro , mais os crentes se sentem confirmados na sua fé ,mais coesos, mais identificados uns com os outros. Não cresce quando você bate, mas fica mais radical e mais ativo quando isso acontece. O ataque dos adversários é o combustível que acende  e alimenta o fervor da seita.

Para se ter uma ideia para a seita bolsonarista segue uma lógica primitiva , criando sempre opostos simplistas, como por exemplo achar que saúde e economia são contradições.
Como toda seita fanática, o instinto de autodestruição é inerente ao bolsonarismo . Assim como no exemplo citado acima, Hitler acreditava que a Alemanha deveria ser devastada caso não conseguisse vencer a guerra o bolsonarista gostaria de destruir tudo. Muito parecido com um adolescente que sempre quer ser do contra e causar problemas(isso justifica o número de jovens adeptos a seita). Assim como o adolescente sempre contra diz o que os adultos estão dizendo, logo se os adultos estão dizendo que não é para sair porque tem uma pandemia se espalhando pelo mundo, ele quer se o do contra e fazendo isso, sente-se satisfeito, e vendo-se como um herói. E isso lhe dá a justificativa de agir como vitima.

A minha esperança, é que todos aqueles que foram tratados como mito, pereceram: Napoleão, Vargas, Mussolini e Hitler até porque os mitos são tratados como deuses, mas, são humanos e portanto, seres mortais.
A popularidade de Bolsonaro está cada dia menor, hoje falamos de uma média de 27% do eleitorado e tudo indica que vai cair ainda mais, porque a luz sempre vence as trevas e a sabedoria sempre ganha da ignorância.
(Sousa, Adriano Soares de)
Referência Bibliográfica: A compacta História do Mundo, Roshen Dalal, Editora Universo dos livros, São Paulo,2016.
Dicionário Aurélio, Editora Positivo, São Paulo 2017.
Imagens: tiradas da internet.                  
   

Comentários