A SEXUALIDADE SEGUNDO FOUCAULT


 Olá pensadores, tudo bem com vocês?  Comigo vai tudo bem graças ao Bom Deus! Hoje iremos terminar a série que trata de sexualidade com esse que marcou época, e suas teses são estudas até hoje principalmente se tratando de sexualidade, chamamos para conversa Michel Foucault.

Tudo começa no ano de 1976, aonde Foucault publica o primeiro volume do livro chamado História da Sexualidade com o subtítulo "A vontade do saber" é uma obra que localiza esse objeto de estudo de análise é dentro da Europa ,inicialmente no período da idade clássica e posteriormente na idade contemporânea .

Foucault nos convida a analisar os séculos XVII  e XVIII , para Michel essa não é uma época de proibição da sexualidade ,pelo contrário, é uma época de estímulo a sexualidade, o corpo da mulher é cercado por corpetes , que aparece mais com uma armadura . O corpo feminino é cercado por armações que dão volume as saias . É uma forma de esconder o corpo feminino , mas, ao mesmo tempo  torná-lo aparente e sedutor com os decotes a mostra, sendo assim o corpo feminino se torna visível como nunca foi em outras épocas. Não só o corpo feminino ganha esse destaque (controlado) mas, também a fala sexual , fala essa estimulada e controlada dentro da tecnologia dos confessionários através das confissões da igreja católica.


Chegamos ao século XIX , e esse controle sexual assume ares de obsessão, mas uma obsessão organizada, segundo Foucault cria-se um grande dispositivo sexual que reúne junto  dele saberes, informações ,dados, ciências ,lugares e instituições sociais que vão estimular a sexualidade como fala e como corpo , mas ao mesmo tempo controlá-la . Podemos pegar como exemplo a escola , que vai separar meninos de meninas, podemos pegar a família que vai construir o quarto dos pais separados dos filhos, coisa que não existia na idade média . Essa instituição familiar aliada a escola se associavam com o consultório médico que identificava e tratava o que era chamado de desvios e perversões sexuais como por exemplo, homossexualidade, sim ser homossexual era considerado doença (o próprio termo era para designar uma enfermidade) outro exemplo é a masturbação na adolescência .

Sendo assim Foucault na sua obra sobre sexualidade , coloca pela primeira vez o conceito de bio-política , entendendo que o estado passou a exigir um controle maior da sexualidade , por meios de dado sobre natalidade , mortalidade infantil, idade de casamento , frequência das relações sexuais . O estado começou a controlar a reprodução , hora incentivando, hora a coibindo. O mesmo estado passou por meio de instituições como a psiquiatria , começou a controlar os impulsos sexuais através das mutilações  de órgãos genitais femininos, por meio de aparelhos que coibiam o ato de se masturbar do adolescente masculino, enfim, cria-se todo um dispositivo um conjunto de saberes e técnicas que visavam controlar a sexualidade. 

O estado precisava controlar a sociedade com essa manifestação dentro de uma economia, e dentro de um discurso do que é normal e do que era anormal , e antes de proibir o estado precisava fomentar o aparecimento da sexualidade mas de uma formula equilibrada. 

Pulando para o ano de 1984, ano da morte de Michel Foucault , mas também é o ano da publicação de duas das suas maiores obras , essas, encerram as obras completas sobre a História da Sexualidade , são os volumes II e III com os títulos de "O uso dos prazeres " e "O Cuidado de si". Foucault se debruça nessas obras , a estudar a sexualidade na Grécia e na Roma antigas, é antiguidade clássica que está em foco , nesses estudos do filósofo. Para Foucault, ali havia uma espécie de ascese, de conjuntos de cuidados com o próprio corpo , cuidados que passavam pela ginástica, pelos condicionamento físico , esse condicionamento que servia pera o corpo que ia para guerra , atividade altamente prestigiada entre os romanos e gregos e esse condicionamento também preparava o corpo para o esporte : para os gregos esportes olímpicos, para os romanos os jogos de gladiatura , ambos eventos esportivos extremamente valorizados e centrais na cultura desses povos antigos .

O corpo ocupava um lugar central no cotidiano, do homem antigo, lembremos os banhos públicos agora em Roma , banhos que além da higiene pessoal serviam também para o prazer entre os homens romanos, ressalta também da relação grega entre o mestre e o discípulo (já falada em texto anteriores nesse blog) inclusive a relação espartana entre soldados, esses por sua vez , ficavam períodos muito longos longe da suas esposas e acabavam se relacionado entre si, ambos exemplos citados eram relações rodeada de muito prazer, que era estimulado evidentemente dentro de uma certa moral de conduta,mas, o prazer não era inibido e não era algo pecaminoso .


Foucault entende que a sexualidade no mundo antigo, não está associado a um discurso de normal ou anormal, saudável ou doente , ela é estimulada entre os homens como uma fonte de prazer , e de um corpo saudável, portanto, ter prazer está associado em ter um corpo forte, para o grego e o romano essa ascese corporal, era fundamental para a construção de uma mente saudável que buscasse com mais profundidade a política e a filosofia.

Podemos localizar nessas últimas obras de Foucault, um derradeiro e emancipatório, momento filosófico, ele muda o foco de sua filosofia , saindo da epistemologia , para uma filosofia estética . É importante dizer que nessa época Michel estava profundamente influenciado por suas experiências na segunda metade da década de 70 nos estados americanos de NovaYork e Califórnia . Lá, ele experimentou  o que praticava as comunidades gays ,sendo assim, ele entendeu que as experiências homossexuais  tinha uma certa transgressão mais do sexual , mais uma transgressão do próprio modo de vida contemporâneo, para Foucault a transgressão sexual sadomasoquista , representava uma nova forma de se relacionar como outro, era uma nova forma de viver ;uma reinvenção da própria vida , tanto do lado pessoal ,como do lado coletivo .

Foucault presenciava nessas comunidades gays, uma alternativa que escapava aquele discurso que colocava o desejo como objeto de disputa , segundo Foucault, não mais nos preocuparíamos com o desejo que é proibido, nem com sua repressão , agora a palavra de ordem seria reinvenção . Por meio da sexualidade teríamos a reinvenção do modo de vida capitalista  e a vida seria entendia como uma obra de arte . Enfim, Foucault define a sexualidade como uma das maneiras do ser humano contemporâneo se desvencilhar a sociedade disciplinar .

(Sousa, Adriano Soares de)

Referências:

FOUCAULT, Michel  História da Sexualidade I:A vontade de saber. Tradução de Maria Thereza da Costa Albuquerque e J. A. Guilhon Albuquerque. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1988.

        

________. História da Sexualidade II: O uso dos prazeres. Tradução de Maria Thereza da Costa Albuquerque. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1998.

 

________. História da Sexualidade III: O cuidado de si. Tradução de Maria Thereza da Costa Albuquerque. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1985.

Imagens: Tiradas da Internet

Comentários