RELIGIOSIDADE E SEXUALIDADE

 Olá pensadores , tudo bem com vocês? Comigo vai tudo bem Graças ao Bom Deus! E hoje dia 6/09/ é comemorado o dia do sexo, nada mais justo do que falar sobre o tema, mas estive pensando, por quê falar em um dia se eu posso falar durante o mês? Portanto esse mês de Setembro, vai ser totalmente dedicado ao tema e começamos a falar de sexualidade e religiosidade.

Quem está acompanhando os noticiários estão vendo de perto o caso da Pastora e Deputada Flordelis, que mandou matar o marido porque a separação ,segundo ela, era contra as leis de Deus, como diz o meme: enfim, a hipocrisia.

Mas, o que quero ressaltar aqui era a vida dupla da Pastora, que no púlpito tinha aquele discurso moralista, mas fora dele era uma vida cheia de luxuria. Fato é, que ela tinha o costume de transar com seus filhos adotivos, o próprio marido dela era um de seus filhos adotivos que nesse processo foi ainda genro de Flordelis, logo o incesto nessa família era uma coisa comum. Sem contar que o casal eram adeptos da prática do swing (troca de casais) logo, podemos perceber que a pastora pode ser diagnosticada como ninfomaníaca, e Flordelis é um dos vários exemplos de contradição no meio religioso, tanto entre os cristãos denominados evangélicos como os líderes religiosos católicos.

Lembro-me que quando tomei a decisão de sair do seminário, por não saber lidar com o meu celibato, um sacerdote me falou: "Você acha que na vida eclesiástica o celibato é levado a sério? É uma minoria que leva isso a sério cerca de 20%". Confesso que fiquei meio escandalizado com a fala desse sacerdote, mas a fala dele me impulsionou para tomar a decisão sair, não queria ser motivo de escândalo para igreja, nem aumentar essa porcentagem. É claro que o fato de um sacerdote ter um desvio de conduta, não vai tirar dele o mérito de arrebanhar o povo de Deus, até porque a vontade de transar parte da necessidade humana e eu entendo que o que adianta um padre ser castro, sendo espiritualmente ele não propaga o reino de Deus? 


Mas, a sexualidade do Clero não é problema só de hoje, se pegarmos os escritos do Pe. Manoel da Nóbrega, Jesuíta  que chegou ao Brasil no ano de 1549 mas especificamente no Estado da Bahia. O mesmo ficou escandalizado com os padres seculares, em uma de suas cartas queixou-se de que os padres viviam amancebados, com as índias. Outro exemplo, Padre Jácome de Queiroz também se apresentou, de sua própria iniciativa , para confessar que havia transado com duas índias, na confissão disse que o fez sem querer e conta com riqueza de detalhe que praticou sexo anal com elas.

Antes de continuar falando sobre sexo no cristianismo, vamos passar nas outras religiões para ver como é encarado o tema:  Na Umbanda por exemplo, não possui restrições sobre transar antes do casamento, porém,  o ato é proibido para os médíuns em dia de ritual, são radicalmente contra o adultério e não há nem um tipo de restrição com a masturbação.

No meio kardecistas o sexo é levado como algo aceitável, desde de que não atrapalhe o plano físico e o homossexualismo é encarado com muita normalidade. O judaísmo é uma das mais antigas religiões monoteístas,nela, o sexo antes do casamento é tratado com neutralidade, há condenação se houver adultério, a masturbação é liberada, já o sexo anal é proibido.

Para os islâmicos, o sexo antes do casamento é tratado como pecado, existe uma valorização da virgindade masculina e feminina, são contra o aborto e masturbação nem pensar. No budismo, a pratica do sexo em geral é bem regrada, baseado no respeito e confiança mútuos tudo é permitido, desde de que, não haja prejuízo físico.

Voltando a falar das religiões cristãs, a sexualidade é rigorista e preconceituosa. Essa forma de pensar dá-se na idade média através de Santo Agostinho, segundo ele, em função do pecado original, Adão violou sua inocência original por ter mantido relações sexuais com Eva, o sexo se transformou numa vergonhosa luxuria, carregado de culpa.

Por causa dessa interpretação, que ficou dominante se estabeleceu uma relação negativa com o sexo. Mas, nem sempre foi assim, dentro dessa messa igreja cristã podemos perceber manifestações criação divina de Deus, pode se conferir isso no livro dos Cânticos dos cânticos que celebrar o amor, e a beleza dos corpos, fato é que a palavra seios, beijo, desejo, aparece frequentemente no texto.

A teóloga católica Maria Caterina Jacobelli, estudou sobre os ritos da igreja exclusivamente nos anos de 825 que se chamava "risus paschalis"  que significava o prazer genital -sexual no espaço sagrado na festa da Páscoa. Acontecia da seguinte forma: o sacerdote na missa da manhã da páscoa devia suscitar o riso dos fiéis, contava piadas picantes, usavam linguagens e gestos de cunho sexual  e assim ia sendo realizado o "risus paschalis" . 

Bem, como pode perceber passamos de forma superficial nas religiões e vimos como cada uma encara o sexo. No entanto, permanece a complexidade do tema para discutir em sociedade , em função do tabu impregnado das religiões, mas na prática podemos ver isso ao decorrer dos séculos que aqueles que se dizem crentes vão criando um distanciamento entre o discurso e a prática , temos um problema eclesialmente irresolvido, e também uma questão de poder associado a ele.

(Sousa, Adriano Soares de)

Referências : 

BERGER, Peter L. O Dossel Sagrado elementos para uma teoria sociológica da religião. São Paulo: Paulinas, 1985.

DURKHEIN, Émile. As formas elementares da vida religiosa. São Paulo Martins Fontes, 1996.

ELIADE, Mircea. O sagrado e o profano: a essência das religiões. São Paulo, Martins Fontes, 2001.

JACOBELLI ,Maria. CaterinaIl risus paschalis e il fondamento teologico del piacere sessuale, Brescia 2004

IMAGENS: Tiradas da Internet

    

  

Comentários