O QUE É CAPITALISMO DE VIGILÂNCIA? PARTE 2: NICK COULDRY

 Olá pensadores, tudo bem com vocês? Comigo vai tudo bem graças ao Bom Deus! E sem perder muito tempo vamos dar sequência ao nosso tema. 

Quando você acessa uma rede social seja ela qual for, os algoritmos  eles fazem uma operação de coleta, e essa tem como finalidade captar nossa personalidade o nosso humor , as nossas emoções, nossas fragilidades e até mesmo nossas mentiras. Com isso nossas subjetividades e questões mais íntimas são monetizadas por empresas que invadem  nossas vidas sem o nosso consentimento se apropriando dos dados de cada um e tirando daí o seu lucro, ou seja, a venda  de dados para as empresas anunciarem na sua timeline.


Nick Couldry vai chamar esse processo de colonialismo de dados, apontando que essas empresas se apropriam da vida humana, sobre a forma de fluxo de dados, se assemelhando-se com o colonialismo histórico, que primeiro se concentrou na tomada de terras de populações originárias. E umas das questões significativas a dizer é que essas tecnologias permitem vigiar e coletar dados  não só nos nossos celulares e computadores elas estão presentes também, em outros itens e serviços do nosso cotidiano além de vários setores da economia . Um exemplo fácil de visualizar é da casa inteligente com eletro domésticos conectados , você chega em casa e pede para que a secretária virtual ascenda as luzes da casa e se quiser fazer até pipoca enquanto você escolhe o filme. 

Esses aparelhos  que trazem tanta praticidade, eles estão envolvidos com um monte de empresas que se apropriam da nossa fala e dos nossos hábitos para alimentar um fluxo de dados comportamentais que ajudam a prevê e moldar os nossos comportamentos e desejos futuros .

Em uma entrevista dada para um site de sociologia, Nick Couldry dá como exemplo a Amazon que segundo ele  a empresa escraviza o usuário  transformando-o em  um valor econômico. A mesma rastreia seus colaboradores todo o tempo além de ser mal remunerado e explorado, precarizando assim, sua mão de obra.

Perguntado se era possível descolonizar a internet do contexto capitalista, Nick Couldry não dá uma resposta sólida . Segundo ele, não adianta ser rebelde e fechar sua conta do Facebook assim que você terminar de ler esse texto, utilizamos as redes sociais como ferramentas de trabalho e pagamos um preço muito alto por isso. Couldry diz que para resolver isso tem que ser a longo prazo, mas de imediato é necessário renegociar os termos, até porque se nos isolarmos da tecnologia teríamos um retrocesso de no minimo de 20 anos, enfim, saber separar os custos com os potenciais a longo prazo. Continua....

(Sousa, Adriano Soares de)

Referências: https://digilabour.com.br/2019/02/25/entrevista-com-nick-couldry-colonialismo-de-dados-sul-global-e-mundo-do-trabalho/ 

Imagens: Tiradas da Internet 

Comentários